Mais uma vez te convido a assistir um trecho de um filme. Neste caso, essa cena faz parte do filme Forrest Gump, o contador de histórias. Nela o menino Forrest, que tem sua “capacidade mental limitada”, consegue superar sua limitação pela pura necessidade. Ele descobriu que podia correr, mesmo com tudo que o paralisava.

Você está pronto para correr?

Um dia você correu. Você, menino ou menina, correu e caiu. Ralou o joelho, chorou e passou merthiolate. E chorou mais ainda, porque ardeu pra caramba. Daí tua mãe falou que você não podia correr, pois se corresse, iria cair de novo. Você, como pessoa obediente que é, resolveu não correr mais e carregou esse cuidado para o resto da vida. Nunca mais correu, oras… claro “vai que eu caio de novo, não quero sentir de novo a mesma dor”.

Forrest_Gump_running_alabama_jenny

Isso acontece em diversos aspectos de nossa vida. Tentamos evitar as raladas da vida e entramos na velha zona de conforto. Permitimos que o medo tome conta das nossas decisões e deixamos de fazer o que realmente queremos.

Esse medo é gerado por crenças que adquirimos e guardamos para o futuro. Colocamos o famoso “E se…” na frente de cada decisão e adiamos tudo. Deixar pra depois é muito mais confortável. Amanhã eu começo, amanhã eu páro, amanhã eu vou. Ainda assim, quando a vida coloca no teu colo um desafio ou uma decisão importante, vem a sabotagem. Pensamentos de desencorajamento aparecem e você desiste.

Que tal fazer diferente neste ano que chega? Que tal fazer um planejamento de verdade, enfrentar os desafios que a vida impõe e seguir em frente? Faça uma lista das coisas que você deseja, coloque uma meta, um período de tempo para conclui-las e inicie um novo futuro. Deixe o passado no passado e converse com os seus medos: você vai ver que eles são menos coloridos do que você pinta. Entenda que você mesmo se colocou onde está e só você pode sair.

Vamos lá, respira e vai. Vem 2016.